ALTO CONSUMO DE CARNE VERMELHA VINCULADO À DIVERTICULITE

Além de cuidar do seu coração, agora você tem mais razão para reduzir o seu consumo de carne vermelha. Um estudo de 26 anos de duração acaba de ser concluído, ligando definitivamente o aumento do consumo de carnes vermelhas a uma condição intestinal chamada diverticulite.

O estudo descobriu que homens que comiam seis ou mais porções de carne vermelha por semana eram 58% mais propensos a desenvolver diverticulite do que os homens que comiam apenas de 1 a 2 porções por semana. A diverticulite ocorre quando o revestimento intestinal de uma pessoa protubera para fora de sua posição normal e forma uma pequena bolsa.

Esta bolsa, conhecida como um divertículo, acaba inflamando. Embora esse problema possa ocorrer em qualquer local dentro do órgão, eles são mais comuns no intestino grosso. A diverticulite leva a cerca de 210 mil hospitalizações anualmente só nos Estados Unidos, a um custo superior a 6 bilhões de dólares, dizem os pesquisadores do tema.

Os casos de diverticulite grave são ocasionalmente tratados com antibióticos intravenosos ou cirurgia. Apesar do custo exorbitante e gravidade do problema, as razões para um indivíduo desenvolver diverticulite, ou mesmo o que os torna mais suscetíveis ao seu desenvolvimento, em primeiro lugar, permanecem indescritíveis.

Curtir

Alguns dos fatores de risco para desenvolver diverticulite pode estar relacionada ao tabagismo, a tomar anti-inflamatórios sem esteroides e falta de atividade física. No que diz respeito aos fatores dietéticos, não comer fibra suficiente parece desempenhar um papel no desenvolvimento de diverticulite, porém ainda não é muito conhecido como outros fatores dietéticos contribuem.

O estudo analisou dados coletados de 46 mil homens. A cada dois anos, eles foram convidados a preencher um questionário sobre seus históricos médicos completos e quaisquer doenças que possam ter tido. A cada quatro anos, eles preencheram um questionário sobre as suas dietas, entregue aos pesquisadores.

No início do estudo, nenhum dos homens em análise foi encontrado com diverticulite, doença inflamatória intestinal ou cancro gastrointestinal. No entanto, cerca de 764 dos participantes tinham desenvolvido diverticulite no final do período de acompanhamento de 26 anos.

Outras observações que a pesquisa fez incluem um aumento da incidência de tabagismo entre os participantes que comeram uma quantidade grande de carne vermelha, bem como um aumento da incidência de fazer menos exercício. Apesar destas descobertas, o estudo não provou uma relação de causa e efeito entre comer mais carne vermelha e desenvolver diverticulite.

 

Curtir

Os pesquisadores usaram várias hipóteses testadas para fundamentar suas descobertas, como uma maior ingestão de carne vermelha, ligada a níveis de inflamação crônica, que aumentam o risco de uma pessoa desenvolver a doença. Além disso, a carne vermelha também é conhecida por alterar a composição do microbiana do intestino.

Embora a carne processada seja frequentemente associada a problemas de saúde, este estudo considerou a carne vermelha não processada como o principal condutor da ligação entre o elevado consumo de carne vermelha e o desenvolvimento de diverticulite.

 

A razão para isso pode ser que a carne não processada é geralmente consumida em porções maiores do que a processada, e geralmente é cozida em temperaturas muito mais elevadas. Atualmente, não está claro se as descobertas de referência também se aplicam às mulheres.

Fonte: LiveScience

Imagens: Deposit Photos.

FONTE: http://www.tudoporemail.com.br/content.aspx?emailid=8646

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s